sábado, 29 de setembro de 2007

Saúde Espiritual

Já a sabedoria grega ensinava que, estando a mente sã, o corpo também estaria. A vida caminhou séculos e séculos depois desta grande civilização, para reforçar o ensino dos nossos dias e mostrar ao ser que, quando o pensamento se faz sadio, o corpo reflecte-lhe o equilíbrio e torna a vida mais agradável.

A constituição do Ser Humano
Allan Kardec informa-nos que o ser humano é formado por três partes essenciais: pelo corpo material, pelo perispírito (também conhecido por corpo espiritual ou actualmente como MOB - Modelo Organizador Biológico) e a alma.
Perispírito
Para entender melhor todo processo da saúde, temos de definir melhor o conceito de "perispírito". Do gr. peri, em torno, e do lat. spiritus, alma, espírito, o perispírito é o envoltório semi-material, subtil e perene da alma, que possibilita sua a interacção com os meios espiritual e físico.
A palavra foi empregue pela primeira vez por Kardec, no item 93 de O Livro dos Espíritos, mas diversas denominações existiram no curso do tempo: mano-maya-kosha (na Índia védica),
baodhas (no Zend-Avesta, dos persas), Kha ou Bai (entre os sacerdotes egípcios), rouach (na Cabala) ; kama-rupa (Budismo), eidolon, okhema, ferouer (entre os gregos), Khi (na tradição chinesa), corpo sidéreo (Paracelso), aerossoma (neognósticos), somod (Baraduc), corpo astral (entre os hermetistas, alquimistas, esoteristas, teosofistas).
Actualmente, o termo mais moderno é Modelo Organizador Biológico (MOB), de Hernani G. Andrade). MOB, pois modela e organiza biologicamente nosso corpo físico.

Do Perispírito, que transmite e influi, em muito, as impressões na formação do corpo físico, expande-se um laço fluídico que prende o espírito ao corpo material desde o instante da concepção.

O perispírito, ou ”MOB”…
… garante a vitalidade e a manutenção da estrutura humana. Isto é, determina a quantidade de fluido vital que necessitamos para viver em cada encarnação, de acordo com a necessidade de cada um. Uns viverão 80 anos e outros apenas alguns dias, ou meses, ou poucos anos.
… é o agente intermediário, o condutor energético e o transmissor das impressões entre a alma e o corpo material e vice-versa.
… dadas as suas características inerentes, mantém todos os registos históricos da vida eterna da alma, servindo de instrumento da Justiça Divina.
Por ex: se abusei do álcool ou se me suicidei através de um tiro no coração, essa informação ficará marcada no meu MOB que determinará numa próxima encarnação lesões hépaticas e cardiopatias congénitas.
... possui Centros de Forças (CF), ou chakras, que sustentam a energia dos diversos sistemas existentes no corpo físico. São sete os principais chakras e fazem ligação com os diversos plexos nervosos. O CF Cardíaco, por exemplo, faz conexão com o plexo nervoso cardíaco.
O perispírito, ou MOB, é o agente viabilizador da reencarnação.

A Reencarnação é uma benção que permite também o tratamento, a correcção, a cura, o reequilíbrio, a reparação e a expiação, facilitando que a alma ascenda na escala espírita, pela prática e a conquista plena do Amor.

Em vossas aflições, portanto, olhai sempre o céu, e dizei, do fundo do vosso coração: “Meu Pai, curai-me, mas fazei que minha alma doente seja curada antes das enfermidades do meu corpo; que minha carne seja castigada, se preciso for, para que minha alma se eleve até vós." (Vianey, 1863) ESE, cap. VIII, item 20

Saúde e espiritualidade
A classe médica aos poucos vem tendo consciência de que todas as doenças têm origem espiritual. Como foi referido nas II Jornadas Portuguesas de Medicina e Espiritualidade (Julho-2007), apesar das últimas tecnologias de ponta em toda a área médica, nos recursos sociais e nos planos de Saúde, a percentagem população/doentes, é a mesma de 30, 40, 60 anos atrás. Temos novas equipamentos e também vão surgindo novas doenças. Quando a classe médica tratar primeiro a alma, o panorama será outro. Sobre isto farei uma pesquisa para o próximo trabalho (a religiosidade e as suas influências na cura/TVP ...)

Nos mundos em que se atingiram um grau superior, as condições da vida moral e material são bem diferentes das da terra.... O corpo nada tem da materialidade terrestre, e não está, por conseguinte, sujeito as necessidades, nem às doenças.... (Cf. ESE, cap. III, item 9)

Quando uma aflição não é consequência dos actos da vida presente, é preciso procurar-lhe a causa numa vida anterior. ESE, cap. VIII, item 21

As doenças são efeitos que decorrem de causas inferiores, tais como vícios, crimes, desvirtudes, invigilâncias e desequilíbrios.

A lei de causa e efeito promove a evolução do Espírito, pois encontra em si mesmo os resultados enobrecedores ou deprimentes das próprias acções: Débitos > Contenção > Renovação

O Pensamento é uma modalidade de energia subtil, que actua em forma de onda com uma velocidade superior à da luz. Sintetiza verdadeiramente a nossa maneira de ser. Cf. LE 459 e ESE


Temos apenas um cérebro que se divide em três regiões distintas:
1º - SUBCONSCIENTE – Residência dos nossos impulsos automáticos – Sumário vivo dos serviços realizados – Passado.
2º - CONSCIENTE – Domicílio das conquistas actuais. Esforço e Vontade para edificar qualidades nobres. Presente
3º - SUPERCONSCIENTE – Casa das noções superiores que nos indica as eminências que nos cumpre atingir: o Ideal é a meta a ser alcançada (Perfeição e a felicidade) – Futuro

Algumas relações de causa-efeito
* Orgulho, Vaidade, Tirania, Egoísmo, Preguiça, Crueldade, Cólera - A Cegueira, Mudez, Idiotia, Surdez, Paralisia, Cancro, Epilepsia, Lepra, Diabete, Loucura...
* Álcool e Toxicomania - doenças de desequilíbrio no pâncreas e hepáticas.
* Gula - problemas de ordem do sistemas gastro-intestinal.
*Aborto- cancro e obsessões.
*Suicídio (uma transgressão grave às leis divinas) - Doenças e sofrimento no plano espiritual e na próxima encarnação.
* Sexo desvirtuado ou depravado - problemas de ordem genésica.

OBSESSÃO (Afinidades, propensão idênticas, vinganças, ódios etc)

A água
A água é um dos corpos mais simples e receptivos da Terra” (Emmanuel)
Ela pode adquirir qualidades poderosas e eficientes sob a acção do fluido espiritual ou magnético ao qual servem de veículo, ou se quiserem, de reservatório. semelhança a acção do medicamento homeopático. (A Génese, cap. XV, item 25)

No Espiritismo, denomina-se de água fluidificada ou magnetizada aquela que recebeu acção magnética (do encarnado) ou espiritual (do desencarnado).
Condensa linhas de força magnéticas e princípios eléctricos que aliviam e sustentam, ajudam e curam. (Emmanuel)

Masaru Emoto , depois de 8 anos de pesquisa, ajuda a confirmar cientificamente o que Kardec e Emmanuel já descreviam sobre a água.
Considerando que a água reflecte a energia que está sendo mandada para ela, a estrutura cristalina reflecte asvibrações do grupo. Se vosê tem uma pessoa rezando com profundo senso de clareza e pureza, a estrutura cristalina será clara e pura. Num grupo de pessoas, se a interacção delas como grupo não é coesa, você termina com uma estrutura não coesa na água. Porém, se todos estiverem unidos, juntos, você achará um claro e belo cristal, como que criado da reza de uma só pessoa de profunda pureza.
O resultado desta pesquisa foi publicado em 1999, no Livro Mensagens escondidas na água.


A água, quando fluidificada para uso de muitos, terá acção reconfortadora e tonificante; quando fluidificada para determinada pessoa, só por ela deve ser usada pois adquire propriedades especiais nem sempre aplicáveis a outrém.

Como fluidificar a água ?
Fazendo o evangelho do lar.
Jesus curou o cego de Jericó aplicando-lhe o passe magnético imitado pelos discípulos que, em seu nome, aliviavam males do corpo e da alma. O Espiritismo revive o mesmo tratamento, em toda sua simplicidade, sem magia, sem mistério, sem ritualismo.
Ao orar, estamos agindo com o pensamento e a vontade; exteriorizamos poderes, emanamos fluidos bons; e a água recebe esta influência. Para além disso, estamos a atrair bons espíritos.
A aplicação do passe no Centro Espírita é sempre uma terapia de superfície. É uma mera especialização de um dom próprio do ser humano. O merecimento é factor decisivo na nossa melhora, pois, só Deus sabe. A passagem de energias é feita no nosso quotidiano. Ex.: a mãe , o médico, o religioso, a benzedeira.
Nas práticas do bem comum, o mais importante não é curar, e sim ensinar o doente a conviver com a enfermidade até à sua autocura.

A propósito, vale a pena lembrar o que André Luiz (psicografia por Chico Xavier) chama de caso de décima vez: quando o paciente, depois de receber socorro completo por dez vezes consecutivas, não modifica sua atitude mental para melhor, os bons Espíritos “deixam o enfermo entregue a si mesmo”, por enquanto, pois sua missão é de “amparar os que erram e não fortalecer o erro”. (Missionários da Luz, cap XIX- Passes).

Regras de Saúde
Ø Actividades edificantes e sadias – quando necessário procurar ajuda médica – praticar exercícios e esportes.
Ø Cuidar do ar que respiramos, da água e líquidos que bebemos, assim como dos alimentos que ingerimos
Ø Asseio diário
Ø Sono reparador e lazer relaxante.
Ø Manter o ambiente alegre e sadio no lar, no trabalho, na sociedade
Ø Orar e meditar. Procurar ser alegre e afastar os pensamentos negativos(queixas,lamentações, depressão).

O Centro Espírita
Aconselhamento espiritual
Evangelização
Obras complementares de estudo
Oração
Passe Magnético e água magnetizada
Palestras
Operações espirituais
Emmanuel, por Chico Xavier

A Oração
Cada doença tem uma linguagem silenciosa e faz-se acompanhar de finalidades especiais.
Usa os remédios humanos, porém inclina-te para JESUS.
É importante combater as moléstias do corpo, mas ninguém conseguira eliminar os efeitos quando as causas permanecem. As doenças persiste porque demoramos a rearmonizarmos intimamente
O Evangelho do lar é a receita para humanidade doente.
A epidemia é uma provação colectiva.
A doença é contingência natural, inevitável às criaturas em processo de evolução.

E a oração da fé salvará o doente e o Senhor o levantará (Tiago, 5:15)

A oração é um poderoso auxiliar para cura de nossos males.
O melhor remédio é a vontade sadia. Porque a vontade débil enfraquece a imaginação e a imaginação doentia debilita o corpo.
A cura está nas nossas mãos. Só o Amor pode curar a doença da alma.

Podemos dizer que...
... saúde é actividade, acção, trabalho!
... doença é ociosidade, ausência do bem, espera do incerto.
Enquanto agimos, ocupamos a mente, exercitamos a razão, desenvolvemos o sentimento e construímos o destino.
A Saúde está, indiscutivelmente, ligada ao acto de ser útil, amando o próximo. Esta utilidade é sempre serviço para o bem comum da humanidade.

“Os espíritos amigos sempre mostram disposição de nos auxiliar, mas é preciso que, pelo menos, lhes ofereçamos uma base... Muitos ficam na expectativa do socorro do Alto, mas não querem nada com o esforço de renovação; querem que os espíritos se intrometam na sua vida e resolvam seus problemas... Ora, nem Jesus Cristo, quando veio à terra, se propôs a resolver o problema de alguém... Ele se limitou a nos ensinar o caminho que necessitamos palmilhar por nós mesmos.”
Chico Xavier

Bibliografia Base:
Livros Base de Kardec:
Evangelho Segundo o Espiritismo
Livro dos Espíritos
Livro dos Médiuns
Mensagens de Saúde Espiritual – Wilson Garcia
Doenças Cura e Saúde à Luz do Espiritismo
Material do II Curso de Capacitação do Trabalhador na Casa Espírita, realizado em Leiria pelo Conselho Espírita Internacional (Junho 2007).
II Jornadas Portuguesas de Medicina e Espiritualidade – Lisboa (Julho-2007)
(Linhas-base da palestra proferida pelo Beni a 22 de Setembro)

domingo, 23 de setembro de 2007

“Vigiai e orai”

“Vigiai e orai”: O valor da Oração/Prece nas Sagradas Escrituras, na Codificação Espírita e na Literatura Espírita/Espiritualista


Sagradas Escrituras

“Vigiai e orai para não cairdes em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca.” (Mt, 26, 41)

“Manassés: corrupção e conversão – (…) Manassés, porém, levou o povo de Judá e de Jerusalém a cometer erros maiores que os erros das nações que Javé tinha arrasado diante dos israelitas. Javé falou a Manasses e ao seu povo, mas eles não o atenderam. Então, Jávé fez vir contra eles os generais da Assíria, que algemaram Manasses, o acorrentaram e o levaram para a Babilónia. Ao ver-se em apuros, Manasses procurou agradar a Javé, seu Deus, humilhando-se profundamente diante do Deus dos seus antepassados. Suplicou a Javé, e Este comoveu-se. Javé ouviu a sua súplica e trouxe-o de volta para Jerusalém, para o seu reino. Foi assim que Manasses reconheceu que Javé é o verdadeiro Deus.” (2 Cr 33, 9-13)

“Parábola do juiz iníquo – Depois disse-lhes uma parábola sobre a obrigação de orar sempre, sem desfalecer: “Em certa cidade, disse Ele, havia um juiz que não temia a Deus, nem respeitava os homens. Vivia também naquela cidade uma viúva que ia ter com ele e lhe dizia: Faz-me justiça contra o meu adversário. Durante muito tempo, recusou-se a atendê-la; mas, um dia, disse consigo: Embora eu não tema a Deus nem respeite os homens, contudo, já que esta viúva me incomoda, vou fazer-lhe justiça, para que me deixe e não volte a importunar-me.” E o Senhor continuou: “Escutais o que diz este juiz iníquo? E Deus não fará justiça aos Seus eleitos, que a Ele clamam dia e noite, e fá-los-á esperar? Far-lhes-á justiça prontamente, digo-vo-lo Eu. Mas, quando o Filho do Homem voltar, encontrará fé sobre a terra?” (Lc 18, 1-8)

“História de Isaac e Jacob – (…) Isaac tinha quarenta anos quando se casou com Rebeca, filha de Batuel, o arameu de Padã-Aram, e irmã de Labão, o arameu. Isaac implorou a Javé por sua mulher, por que ela era estéril: Javé escoutou-o e a sua mulher Rebeca ficou grávida.” (Gn 25, 20-21)

“Anúncio do nascimento de João – (…) Todo o povo estava da parte de fora em oração, à hora do incenso. Apareceu-lhe, então, o anjo do Senhor, de pé, à direita do altar do incenso. Ao vê-lo, Zacarias ficou perturbado e encheu-se de temor. Mas o anjo disse-lhe: “Não tenhas receio, Zacarias, a tua súplica foi atendida. Isabel, tua mulher, vai dar-te um filho e chamar-lhe-ás João.” (Lc 1, 10-13)

“O epiléptico demoníaco – Reunindo-se aos discípulos, viu em torno deles uma grande multidão e uns escribas a discutirem com eles. Assim que viu Jesus, toda a multidão ficou surpreendida e acorreu a saudá-Lo. Ele inquiriu: Que estais a discutir uns com os outros? Alguém, dentre a multidão, disse-Lhe: “Mestre, trouxe-Te o meu filho, que tem um espírito imundo. Quando se apodera dele, atira-o ao chão e ele põe-se a espumar, a ranger os dentes e fica rígido. Pedi ao Teus discípulos que o expulsassem, mas eles não conseguiram.” Disse-lhes Jesus: “Ó geração incrédula, até quando estarei convosco? Até quando vos hei-de suportar? Trazei-mo cá.” E levaram-lho. Ao ver Jesus, o espírito sacudiu violentamente o menino, e este, caindo por terra, começou a estrebuchar, deitando espuma pela boca. Jesus perguntou ao pai: “Há quanto tempo sucede isto?” “Desde a infância”, respondeu, e muitas vezes o tem lançado ao fogo e à água, a fim de o matar. Mas se podes alguma coisa, socorre-nos, tem compaixão de nós.” “Se podes…! Tudo é possível a quem crê”, disse-lhe Jesus. Imediatamente o pai do menino disse em altos brados: “Eu creio! Ajuda a minha incredulidade.” Vendo Jesus que afluía muita gente, ameaçou o espírito imundo, dizendo-lhe: “Espírito mudo e surdo, Eu te mando, sai do menino e não voltes a entrar nele.” Dando um grande grito e sacudindo-o violentamente, saiu. O menino ficou como morto, a ponto de a maior parte dizer que tinha morrido. Mas tomando-o pela mão, Jesus levantou-o e ele pôs-se de pé. Quando Jesus entrou em casa, os discípulos perguntaram-Lhe em particular: “Porque é que nós o não pudemos expulsar?” Respondeu: “Esta casta de demónios só pode ser expulsa com oração e jejum.” (Mc 9, 14-29)

“Sede diligentes, sem fraqueza, fervorosos de espírito, dedicados ao serviço do senhor; alegres na esperança, pacientes na tribulação, perseverantes na oração, socorrendo os santos nas suas necessidades, exercendo a hospitalidade.” (Rom 12, 11-13)

“Ora o fim de todas as coisas está próximo. Sede, portanto, prudentes e vigiai na oração. (1 Pe 4, 7)

“Sede perseverantes e vigilantes na oração acompanhada de acção de graças.” (Col 4, 2)

“Quanto a nós, entregar-nos-emos assiduamente à oração e ao serviço da palavra.” (Act 6, 4)

“Depois de lhes terem constituído anciãos em cada Igreja (novos discípulos), pela imposição das mãos, e de terem feito orações acompanhadas de jejum, recomendaram-nos ao senhor, em Quem tinham acreditado.” (Act 14, 23)

“Está alguém entre vós aflito? Entregue-se à oração. Está alguém contente? Cante louvores. Está alguém entre vós doentes? Chame os presbíteros da Igreja e que estes orem sobre ele, ungindo-o com o óleo (azeite) no nome do Senhor. A oração da fé salvará o doente e o Senhor restabelecê-lo-á; e, se cometeu pecados, ser-lhe-ão perdoados. Confessai os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros para serdes curados. A oração fervorosa do justo tem muito poder.” (Tgo 5, 13-16)

“Deus ouve o clamor do pobre – Não tentes subornar a Deus, porque Ele não aceitará o suborno. Não confies num sacrifício injusto, porque o senhor é juiz que não faz diferença entre as pessoas. Ele não dá preferência a ninguém contra o pobre. Pelo contrário, atende a súplica do oprimido. Ele não despreza a súplica do órfão, nem a viúva que desafoga as suas queixas. Será que as lágrimas da viúva não lhe descem pela face, e o seu grito não se levanta contra quem a faz chorar? Quem serve o Senhor será recebido com benevolência, e a sua súplica chegará até às nuvens.” (Ecli 35, 11-16)

“Esperei no Senhor com toda a confiança e Ele atendeu-me. Ouviu o meu clamor e retirou-me do abismo e do lamaçal, assentou os meus pés na rocha e firmou os meus passos.” (Sl 39, 1-3)

Codificação Espírita

“A prece é agradável a Deus? – A prece é sempre agradável a Deus, quando ditada pelo coração, porque a intenção é tudo para Ele. A prece do coração é preferível à que podes ler, por mais bela que seja, se a leres mais com os lábios do que com o pensamento. A prece é agradável a Deus quando é proferida com fé, com fervor e sinceridade. Não creias, pois que Deus seja tocado pelo homem vão, orgulhoso e egoísta, a menos que a sua prece represente um acto de sincero arrependimento e de verdadeira humildade.” (LE, pergunta 658)

“A prece torna o homem melhor? – Sim, porque aquele que faz preces com fervor e confiança se torna mais forte contra as tentações do mal, e Deus lhe envia bons Espíritos para o assistir. É um socorro jamais recusado, quando o pedimos com sinceridade.” (LE, pergunta 660)

“Pode-se pedir eficazmente a Deus o perdão das faltas? – Deus sabe discernir o bem e o mal: a prece não oculta as faltas. Aquele que pede a Deus o perdão de suas faltas não o obtém se não mudar de conduta. As boas acções são a melhor prece, porque os actos valem mais do que as palavras.” (LE, pergunta 661)

“As preces que fazemos por nós mesmos podem modificar a natureza das nossas provas e desviar-lhes o curso? – Vossas provas estão nas mãos de Deus e há as que devem ser suportadas até ao fim, mas Deus leva sempre em conta a resignação. A prece atrai a vós bons Espíritos, que vos dão força de as suportar com coragem. Então elas vos parecem menos duras, Já o dissemos: a prece nunca é inútil, quando bem feita, porque dá força, o que já é um grande resultado. Ajuda-te a ti mesmo e o céu te ajudará; tu sabes disso. Aliás, Deus não pode mudar a ordem da Natureza ao sabor de cada um, porque aquilo que é um grande mal, do vosso ponto de vista mesquinho, para a vossa vida efémera, muitas vezes é um grande bem na ordem geral do Universo. Além disso, de quantos males o homem é o próprio autor, por sua imprevidência ou por suas faltas! Ele é punido pelo que pecou. Não obstante, os vossos justos pedidos são em geral mais escutados do que julgais. Pensais que Deus não vos ouviu, porque não fez um milagre em vosso favor, quando entretanto vos assiste por meios tão naturais que vos parecem o efeito do acaso ou da força das coisas. Frequentemente, ou o mais frequentemente, ele vos suscita o pensamento necessário para sairdes por vós mesmos do embaraço.” (LE, pergunta 663)

“Acção da Prece (a) – A prece é uma invocação: por ela nos pomos em relação mental com o ser a que nos dirigimos. Ela pode ter por objecto um pedido, um agradecimento ou um louvor. Podemos orar por nós mesmos ou pelos outros, pelos vivos ou pelos mortos. As preces dirigidas a Deus são ouvidas pelos Espíritos encarregados da execução dos seus desígnios; as que são dirigidas aos Bons Espíritos são também para Deus. Quando oramos para outros seres, e não para Deus, aqueles nos servem apenas de intermediários, de intercessores, porque nada pode ser feito sem a vontade de Deus.” (ESE, cap. 27, it. 9)

“Acção da Prece (b) – Ao atender o pedido que lhe é dirigido, Deus tem frequentemente em vista recompensar a intenção, o devotamento e a fé daquele que ora.” (ESE, cap. 27, it. 13)

“Acção da Prece (c) – O homem que não se julga suficientemente bom para exercer uma influência salutar, não deve deixar de orar por outro, por pensar que não é digno de ser ouvido. A consciência de sua inferioridade é uma prova de humildade, sempre agradável a Deus, que leva em conta a sua intenção caridosa. Seu fervor e sua confiança em Deus constituem o primeiro passo do seu retorno ao bem, que os Bons Espíritos se sentem felizes de estimular.” (ESE, cap. 27, it. 14)

“Eficácia da Prece (a) – Há pessoas que contestam a eficácia da prece, entendendo que, por conhecer Deus as nossas necessidades, é desnecessário expô-las a Ele. Acrescentam ainda que, tudo se encadeando no universo através de leis eternas, nossos votos não podem modificar os desígnios de Deus.
Há leis naturais e imutáveis, sem dúvida, que Deus não pode anular, segundo os caprichos de cada um. Mas daí a acreditar que todas as circunstâncias da vida estejam submetidas à fatalidade, a distância é grande. Se assim fosse, o homem seria apenas um instrumento passivo, sem livre-arbítrio e sem iniciativa. Nessa hipótese, só lhe caberia curvar a fronte ante os golpes do destino; sem procurar evitá-los; não deveria esquivar-se dos perigos. Deus não lhe deu o entendimento e a inteligência para que não os utilizasse, a vontade para não querer, a actividade para cair na inacção. O homem sendo livre de agir, num ou noutro sentido, seus actos têm, para ele mesmo e para os outros, consequências subordinadas às suas decisões. Em virtude da sua iniciativa, há, portanto, acontecimentos que escapam, forçosamente, à fatalidade, e que nem por isso destroem a harmonia das leis universais, da mesma maneira que o avanço ou o atraso dos ponteiros de um relógio não destroem a lei do movimento, que regula o mecanismo do aparelho. Deus pode, pois, atender a certos pedidos sem derrogar a imutabilidade das leis que regem o conjunto, dependendo sempre o atendimento da Sua vontade.” (ESE, cap. 27, it. 6)

“Eficácia da Prece (b) – Seria ilógico concluir-se, desta máxima: Aquilo que pedirdes pela prece vos será dado, que basta pedir para obter é injusto acusar a Providência se ela não atender a todos os pedidos que lhe fazem, porque ela sabe melhor do que nós o que nos convim. Assim procede o pai prudente, que recusa ao filho o que lhe seria prejudicial. O homem, geralmente, só vê o presente; mas, se o sofrimento é útil para a sua felicidade futura, Deus o deixará sofrer, como o cirurgião deixa o doente sofrer a operação que deve curá-lo.” (ESE, cap. 27, it. 7)

Literatura Espírita/Espiritualista

“Se, todavia, tiveres dificuldade em agir correctamente, em razão de a atitude viciosa encontrar-se arraigada em ti, recorre à oração com sinceridade, e a Consciência Divina te erguerá à paz.” (Momentos de Saúde, Divaldo Franco/Esp. Joanna de Ângelis, pág. 60)

“Não basta pedires a Deus ajuda, porém deves fazer a tua parte, sem o que, pouco ou nada conseguirás. Saúde ou doença, bem ou mal-estar dependem de ti.” (Momentos de Saúde, Divaldo Franco/Esp. Joanna de Ângelis, pág. 37)

“A prece forma o campo do pensamento puro e toda a construção respeitável começa na ideia nobre.” (Livro da Esperança, Francisco Cândido Xavier/Esp. Emmanuel, pág. 231)

“A oração, dentro da alma comprometida em lutas na sombra, assemelha-se à lâmpada que se acende numa casa desarranjada; a presença da luz não altera a situação do ambiente desajustado e nem remove os detritos acumulados no recinto doméstico, entretanto, mostra sem alarde o serviço que se deve fazer.” (Livro da Esperança, Francisco Cândido Xavier/Esp. Emmanuel, pág. 232)

“Não te descures. A noite da oração em família, do estudo cristão no lar, é a festiva oportunidade de conviver algumas horas com os Espíritos da Luz que virão ajudar-te nas provações purificadoras, em nome daquele que é o Benfeitor vigilante e Amigo de todos nós.” (SOS Família, Divaldo Franco/Esp. Joanna de Ângelis, pág. 77)

“A blandícia proporcionada pela oração, quando bem entendida pela criatura humana, proporcionar-lhe-á no seu exercício o reconforto e a coragem para todos os momentos, sempre que recorrendo aos seus tesouros e o fazendo com mais frequência do que lhe é habitual. Quando o ser humano ora, penetra nos arquivos espirituais e refaz-se, adquirindo paz e enriquecendo-se de sabedoria, por estabelecer uma ponte de vinculação com as fontes do conhecimento, de onde promanam os bens da Imortalidade.” (Sexo e Obsessão, Divaldo Franco/Esp. Manoel P. Miranda, pág. 272)

“A prece propicia forças espirituais e morais, mas a acção preenche os vazios existenciais, facultando vigor e superação das falsas necessidades a que o indivíduo, pelas hábitos doentios do passado, se efervora.” (Sexo e Obsessão, Divaldo Franco/Esp. Manoel P. Miranda, pág. 273)

“Entrámos, e todos estavam reunidos ao redor da mesa, em conversa animada. Sílvia pediu que ficássemos um em cada ponta da mesa. Ela ficou junto do meu pai e da minha mãe. Elevando o pensamento ao alto, começa a fazer uma oração magnífica, pedindo ao Pai protecção a todos os familiares cujos filhos voltaram para a espiritualidade de forma brusca e inesperada.
Numa invocação suprema, pede ajuda a meus pais que, entre tantos problemas, possivelmente não conseguiriam cumprir seus carmas unidos. Nesta hora, uma luz imensa que inundava Sílvia, se esparramou por toda a sala, concentrando-se com grande força nos meus pais. Fiquei muito surpreso, pois nunca tinha visto isso.
Os corpos físicos de meus pais pareciam estar sendo lavados por dentro e por fora; a luz era tanta que eles pareciam transparentes, e todos os órgãos e sistemas dos dois corpos ficavam visíveis para nós. Conforme essa luz penetrava neles, saíam substâncias escuras localizadas num e noutro ponto do corpo de ambos.
Em minha mãe, grande alívio foi dado em sua cabeça e seu coração. Em meu pai, o mais prejudicado era seu coração e o baixo-ventre. Não são permitidos maiores detalhes agora.
A sensação de alívio e bem-estar que ambos sentiam após essa operação foi muito grande. Até o humor e a disposição de ambos melhorou muito. Ficámos felizes com os resultados, pois iríamos deixar tudo bem. Abracei e beijei papai, mamãe, tia Flora, tio Marcos, e saí. Sílvia disse que procuraria estudar o caso junto de mentores maiores, para enviar a ajuda necessária.” (A Grande Viagem, Anita Godoy/Esp. Júlio, pág. 90-91)

“Ah! É preciso haver sofrido muito, para entender todas as misteriosas belezas da oração; é necessário haver conhecido o remorso, a humilhação, a extrema desventura, para tomar com eficácia o sublime elixir de esperança. Foi nesse instante que as neblinas espessas se dissiparam e alguém surgiu, emissário dos Céus. Um velhinho simpático me sorriu paternalmente.” (Nosso Lar, Francisco Xavier/Esp. André Luiz, pág. 24)

<<<<<<>>>>>>

“As palavras têm as suas frequências vibracionais individuais e únicas e já vimos como as palavras têm energia que influencia o universo. As palavras da sua boca têm um poder que influencia o mundo inteiro. Podemos mesmo dizer que as palavras que nos ensinam sobre a natureza são as palavras do Criador.
Conheço um homem que comprovou o poder e os benefícios das palavras, usando o seu próprio corpo. Nobuo Shioya é um homem a quem tenho o orgulho de chamar meu mestre.
(…)
Segundo o Mestre, há partículas espirituais que não podem ser vistas com os instrumentos da ciência actual porque existem na fronteira entre a terceira e a quarta dimensão. As palavras ditas com determinação têm um forte poder que reúne estas partículas espirituais, possibilitando realizar coisas no mundo tridimensional.
Em Setembro de 1999, tive a oportunidade de sentir verdadeiramente o poder das palavras tal como o Mestre Shioya o expressou. Nesse dia, aproximadamente 350 pessoas tinham-se reunido nas margens do Lago Biwa, o maior lago do Japão. Eu tinha reunido o grupo numa tentativa de o limpar. Há um velho ditado no Japão que diz que quando a água do Lago Biwa estiver limpa, a água de todo o Japão estará limpa. Outro dos objectivos da reunião foi o de rezar pela paz no mundo inteiro, agora que entrávamos no novo século.
Sob a direcção do Mestre Shioya, que na altura tinha 97 anos, esta grande multidão reuniu forças, numa afirmação pela paz no mundo, que juntou as nossas vozes e os nossos corações. Os nossos cânticos seriam ouvidos à volta de todo o lago e havia um sentimento especial que nos fazia sentir um arrepio na espinha.
Um mês após este evento, aconteceu uma coisa estranha no LagoBiwa. Os jornais relataram que as algas em putrefacção, que apareciam todos os anos e causavam um fedor insuportável, não tinham aparecido este ano.
Se não percebermos o princípio do espírito das palavras, este facto irá parecer realmente estranho, mas sabemos que este princípio tem o poder de influenciar toda a existência e de mudar o mundo quase de imediato. Não tenho nenhuma dúvida que o espírito das palavras gerado através daquelas orações determinadas pela paz no mundo teve o efeito de purificar a água do lago somente numa questão de momentos. Outro ponto importante é o facto de 350 pessoas se terem reunido e cantado juntas. A vontade combinada de tanta gente funcionou como uma força para mudar o universo.” (As Mensagens Escondidas na Água, Masaru Emoto, pág. 166-167)

Dr. Masaru Emoto – é um investigador reconhecido internacionalmente, que se tornou famoso ao demonstrar como a água está profundamente ligada à nossa consciência individual e colectiva. Nasceu no Japão, em 1943. Licenciou-se no Departamento de Humanidades e Ciências da Yokohama Municipal University, tendo como disciplina central as Relações Internacionais. Em 1992, formou-se em Medicinas Alternativas na Open International University. Fez investigações sobre a água por todo o planeta e apercebeu-se de que, na forma de cristais de gelo, a água mostra-nos a sua verdadeira natureza. O Mensagens Escondidas na Água foi publicado pela primeira vez no Japão e está traduzido em 11 línguas.
Usando fotografia de alta velocidade, o Dr. Masaru Emoto descobriu que os cristais formados em água gelada revelam alterações quando lhe são dirigidos pensamentos específicos e concentrados. Descobriu que a água proveniente de fontes límpidas e a água exposta a palavras de amor exibem padrões de flocos de neve brilhantes, complexos e coloridos.
Em contraste, a água poluída ou a água exposta a pensamentos negativos formam padrões incompletos e assimétricos, com cores baças. As implicações desta investigação geram uma nova consciência quanto ao modo como podemos exercer um impacto positivo na Terra e na nossa saúde pessoal.



“O que fizeste não mais podes impedir ou evitar. Disparado o dardo, ele segue o rumo.” (Momentos de Saúde, Divaldo Franco/Esp. Joanna de Ângelis, pág. 58)

Salmo 4:
“Quando Vos invocar, ouvi-me, ó Deus de justiça.
Vós que na tribulação me tendes protegido,
compadecei-vos de mim e ouvi a minha súplica.
Até quando, ó homens, sereis duros de coração?
Porque amais a vaidade e procurais a mentira?
Sabei que o Senhor faz maravilhas pelos seus amigos;
o Senhor me atende quando O invoco.
Tremei e não pequeis,
no silêncio dos vossos leitos falai ao vosso coração.
Oferecerei sacrifícios de justiça
e confiai no Senhor.
Muitos dizem: “Quem nos fará felizes?”
Fazei brilhar sobre nós, Senhor, a luz da vossa face.
Dais ao meu coração uma alegria maior
do que a deles na abundância de trigo e vinho.
Em paz me deito e adormeço tranquilo
porque só Vós, Senhor, me fazeis repousar em segurança.”

(Linhas-base da palestra proferida pelo C. a 15 de Setembro)

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Psiquiatria em Face da Reencarnação

O LAR
•Casa ou apartamento;
•Templo em cujo altar vivo, o Senhor nos situa o espírito para o aprendizado;
• Escola onde se pode recapitular pequenas experiências, lutando pela própria regeneração;
• Bênção de Deus na Terra;
• Sagrado refúgio do teu pão, sonho e estímulo ao trabalho santificante.

TIPOS DE LARES
•Lares, onde os seus componentes (pais, filhos, esposas e irmãos) vivem em paz e harmonia, num clima de amizade;
•Lares, onde a desconfiança, a mágoa e o ódio imperam (os seus componentes parecem inimigos e não suportam a mínima injunção à vida particular de cada um);
•Lares, onde os filhos guardam ressentimentos dos pais que, por sua vez, não toleram as mínimas faltas dos seus rebentos, substituindo os conselhos sãos e criteriosos pelas palavras ásperas, quando não pelos castigos físicos demonstrando rancor ou ódio;
•Lares, onde irmãos não se toleram; esposos que convivem no mesmo tecto pelas necessidades, pelas obrigações sociais, mas separados intimamente, dominados por verdadeiras repulsas;
•Lares, onde acontecem verdadeiras tragédias que os enlutam, sepultando a alegria de viver, a disposição para o trabalho, impedindo o descanso, o repouso e a tranquilidade.
•À conta desses infortúnios, enchem-se de lamúrias os consultórios médicos, os hospícios e surgem doenças novas que dão lugar a investigações científicas.

CONCLUSÕES DAS INVESTIGAÇÕES
•As conclusões, apesar de serem inúmeras, ainda estão muito aquém da verdadeira realidade pois são incapazes de explicar factos que se sucedem continuamente, e demonstram a fragilidade dos conceitos emitidos para a explicação de suas existências;
•A base fundamental para esses estudos ainda continua a ser desprezada pela ciência oficial – reencarnação;
•Cerca de 70% dessas tragédias humanas, mormente essas angústias, esses desesperos ou essas afinidades que separam ou aproximam as criaturas entre si, podem ser somente explicados pela reencarnação, na continuação de vidas materiais, para reencetar a sua marcha nesse aprendizado que é a existência terrena;
•As criaturas humanas atraem-se ou repelem-se, instintiva e momentaneamente, porque em existências passadas, ou foram muito amigas, ou entre elas se deram acontecimentos tão graves, que a sua lembrança está gravada no perispírito, e de tal maneira, que ele se ressente com a só aproximação do inimigo.
•Espíritos amigos ou inimigos reencarnam numa mesma família. Os primeiros, com a finalidade de estreitarem mais ainda os laços entre si; os segundos, obrigados a conviver sob o mesmo tecto, aproximados pelos laços consanguíneos, a fim de melhorarem seus sentimentos e dar guarida ao perdão contra ressentimentos ou causas várias que os haviam separado em existências anteriores;
•Quando se esforçam por modificar os seus sentimentos maus, aos poucos aproximam-se entre si mesmos, aprendendo a ser humildes e bons, despojando-se de projectos de maldade e vingança;
•Ao contrário, quando os acontecimentos que se deram entre eles foram por demais graves, acarretando essas mágoas profundas que se traduzem em ódios e esperanças de oportunidades para se vingarem, advêm essas antipatias comuns que nem mesmo os laços consanguíneos são capazes de atenuar ou destruir;
•Nascer, viver, renascer ainda – eis em que consiste a reencarnação, única teoria capaz de resolver o problema da vida e do destino;
•Reencarnação, única chave possível para abrir o entendimento da Psiquiatria e da Psicologia, a fim de livrá-las das teorias infundadas que têm transtornado o seu progresso, transformando-as na parte mais fraca e incompreensível dos ramos da medicina.
•Perdidas num mar de conjecturas estão as explicações para os génios:
Mozart – tocava qualquer música aos 4 anos e compunha aos 8;
Beethoven – descobria a geometria plana aos 12 anos;
Rembrant – desenhava como verdadeiro artista antes de aprender a ler;
Miguel Ângelo – era técnico perfeito aos 8 anos;
Henecke – sabia 3 línguas aos 12 anos
Hamilton – conhecia o hebraico e mais 11 línguas aos 13 anos;
Ericson – aos 12 anos tinha sob a sua responsabilidade 600 homens, como inspector do canal marítimo de Suez;
Jacques Chrichton – o génio monstruoso – discutia em latim, grego, hebraico e árabe, aos 15 anos.

Estas linhas serviram de base para a palestra proferida pela Ermelinda, no passado dia 8 de Setembro. A palestra resultou da leitura do livro homónimo de Inácio Ferreira de Oliveira, médico psiquiatra espírita brasileiro, e foi complementada com a selecção de algumas passagens.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Espiritismo na Universidade de Sorbonne

Luís de Almeida, cientista da Agência Espacial Europeia (ESA) e da Agência Espacial Norte-Americana (NASA) proferiu, no passado dia 4, em Paris, uma conferência intitulada «Porque sou cientista e espírita?» e destinada a um público de cientistas, professores e alunos universitários.
Mais pormenores, aqui.

Quem é Divaldinho?

Divaldinho Mattos nasceu a 13 de Março de 1955 em Fernandópolis, Brasil, tendo abraçado a Doutrina Espírita em 1973.
De palavra fácil e fluente, tornou-se num muito apreciado Orador, quer no Brasil, quer no estrangeiro, nomeadamente na América Latina, em Portugal e por toda a Europa.
Em 1982 fundou o Grupo Espírita Maria de Nazaré na cidade de Votuporanga, Estado de São Paulo, com o propósito de divulgar o Espiritismo e desenvolver tarefas assistenciais visando o bem-estar das famílias carenciadas da comunidade (disponibilização de alimentação, atendimento ambulatório e odontológico, reforço escolar e pré-escolar, cursos para gestantes ecursos profissionalizantes para jovens). Este grupo Espírita cresceu e é hoje composto por diversos departamentos onde são atendidos, por média diária, 75 idosos, 294 famílias e 502 crianças.

Divaldinho Mattos no CEBV

Divaldinho Mattos estará de novo no CEBV para apresentar um seminário intitulado Como detectar a Obsessão. Domingo, dia 16 de Setembro, das 10,00h às 18,00h. As inscrições podem ser feitas no local no próprio dia do Seminário.

Eu já tive a oportunidade de o ouvir numa das suas visitas a Portimão e fiquei fã. Aqui ficam, desde já, as boas-vindasdo CEBV ao nosso irmão e amigo Divaldinho.

A vinda de Divaldinho ao CEBV integra a sua visita ao Algarve e ao Alentejo durante o mês de Setembro, para a realização de palestras e de seminários de divulgação da Doutrina Espírita. A programação dos trabalhos públicos é a seguinte:

Dia 12: 21H15 - Palestra – Centro Espírita Luz Eterna, Rua de Santana, Bloco D r/c , Olhão

Dia 13: 21h30 - Palestra - Núcleo Familiar Espírita Mentor Amigo, Charneca-Pechão

Dia 14: 21H30 - Palestra – Associação Espírita O Consolador, Rua da Abelheira, Edif. S. Jorge, Quarteira

Dia 15 : 16H00 - Palestra - Associação Espírita de Lagos, Rua Infante Sagres, 50 - 1º, Lagos

Dia 16: 10H00 – 18H00 - Seminário “Como Detectar a Obsessão” - Centro Espírita Boa Vontade, Rua Luís Antão, 31, 4º, Portimão

Dia 17: 21H30 - Palestra "Como Vivem os Espíritos” – Portimão (local a designar)

Dia 18: 21H30 - Palestra – Associação Cultural Espírita Helil , Urbanização Quinta do Alto, lote 58, loja B, Faro

Dia 19: 21H00 - Palestra – União da Cultura Espiritualista de Olhão, Rua Dra. Paula Nogueira nº 58, Olhão

Dia 22: 21H00 - Palestra “Lei de Causa e Efeito” - Biblioteca Municipal de Faro (espaço cedido graciosamente)

Dia 23: 10H00 –18H00 - Seminário “Espiritismo, Paradigma para a Evolução” - Núcleo Familiar Espírita do Mentor Amigo, Charneca-Pechão

Dia 24: 21H00 - Palestra “Morrer e Desencarnar” - Sines (local a designar)

Dia 27: 21H30 - Palestra - Núcleo Familiar Espírita do Mentor Amigo, Charneca-Pechão

O valor das inscrições ajudará a organização nas despesas inerentes ao ciclo de seminários.

Organização: Núcleo Familiar Espírita do Mentor Amigo, Charneca-Pechão. Casa do Sol, Caixa Postal 485 Z, Sítio da Queijeira 8700 - 181 OLHÃO; Tel. 289 705 034 / 96 505 37 43