quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Homenagem a Francisco Cândido Xavier (Chico Xavier)





Quase um século com os espíritos

1910 – Chico Xavier nasce em Pedro Leopoldo (MG), no dia 2 de Abril.
1915 – Com a morte da mãe, Chico é levado para casa dos padrinhos. A madrinha, mulher desequilibrada, aplica-lhe castigos corporais e lhe inflige-lhe outros sofrimentos.
1917 – O seu pai com casa-se com Cidália Batista, que volta a reunir todos os filhos do marido à família.
1919 – Começa a frequentar o Grupo Escolar São José e a trabalhar numa fábrica de tecidos.
1923 – Conclui o curso primário, após repetir a quarta série.
1925 – Começa a trabalhar como auxiliar de cozinha num bar e, depois, como caixeiro.
1927 – Tem o primeiro contacto com a Doutrina Espírita por causa de uma irmã doente. Torna-se secretário do recém-fundado C.E. Luís Gonzaga. No mesmo ano, psicografa pela primeira vez o conteúdo de 17 págs com a assinatura final de “Um espírito amigo".
1931 – Encontra-se com o seu mentor espiritual, o espírito Emmanuel.
1932 – Edita o seu primeiro livro, Parnaso de Além-Túmulo.
1935 – Entra para o Ministério da Agricultura, trabalhando na Fazenda Modelo de Pedro Leopoldo.
1939 – Passa a psicografar os trabalhos do escritor Humberto de Campos, morto em 1934.
1944 – É processado pela família de Humberto Campos. A justiça decide a favor do médium. Publica o livro Nosso Lar, campeão de vendas dentre todos os livros que psicografou, com cerca de 1.300.000 exemplares até 2006.
1946 – Fica doente vítima de tuberculose.
1959 – Muda-se para Uberaba (Minas Gerais).
1960 – Publica, com o também médium Waldo Vieira, Mecanismo da Mediunidade.
1963 – Aposenta-se após 30 anos de serviço.
1965 – Vai ao Estados Unidos para difundir o Espiritismo e para fazer um tratamento oftalmológico.
1927 – Concede uma entrevista de quatro horas no programa Pinga Fogo, da extinta TV Tupi.
1980 – É indicado para receber o Prémio Nobel da Paz de 1981.
1989 – Apoia a candidatura de Fernando Collor de Melo à presidência da República.
1995 – Um enfisema pulmonar deixa-o com apenas 35 quilos e preso a uma cadeira de rodas.
1999 – Publica sua última obra, Escada de Luz, totalizando mais de 400 livros editados.
2002 – Morre serenamente na sua casa, em Uberaba, no dia 30 de Junho, como queria, num dia em que o povo comemorava a conquista do Pentacampeonato mundial de futebol.



Certidão de nascimento




Casa onde nasceu



O jovem Chico com o pai João Cândido Xavier. Este não entendia por que motivo um jovem dotado de recurso espirituais, como Chico, continuava a viver em situação de penúria material, trabalhando como caixeiro de armazém.


A década de 1950 – Com o autor espírita Divaldo Pereira Franco



Embora católico, Roberto Carlos tem suas canções de inspiração religiosa ouvidas durante cultos de diversas outras práticas religiosas. Visitou Chico várias vezes em Uberaba, expressando o seu respeito e consideração ao médium, tal como outros artista que também o visitavam.


Com Divaldo P. Franco



Com Bacceli


Com a Irmã Dulce



Psicografando no Grupo Espírita da Prece, em Uberlândia



Labirintite, Angina, e enfisema pulmonar, catarata, cegueira em um dos olhos, nos últimos só andava com ajuda de pessoas, porém nunca parava de ajudar.


Sempre incansável, só o corpo não estava bem;
o espírito sempre alegre e sorridente.



O mausoléu de Chico Xavier em Uberaba reproduz no bronze o gesto característico de uma existência











Pílulas do Chico Xavier





Uma das mais belas lições que tenho aprendido com o sofrimento: Não julgar, definitivamente não julgar a quem quer que seja.

Fico triste quando alguém me ofende, mas, com certeza, eu ficaria mais triste se fosse ofensor… magoar alguém é terrível.

Uma das coisas que sempre aprendi com os benfeitores espirituais é não tolher o livre arbítrio de ninguém; os que viveram na minha companhia sempre tiveram a liberdade para fazer o que quizeram…

Agradeço todas dificuldades que enfrentei; não fosse por elas, eu não teria saído do lugar… as facilidades nos impedem de caminhar. Mesmo as críticas nos auxiliam muito.

Nunca quis mudar a religião de ninguém, positivamente, não acredito que a religião “A” seja melhor que a religião “B”… Nas origens de toda religião cristã está o pensamento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Quem seguir o Evangelho… Se Allan Kardec tivesse escrito que fora do Espiritismo não há salvação, eu teria ido por outro caminho. Graças a Deus ele escreveu. “Fora da caridade, ou seja, ou seja, fora do amor, não há Salvação"


Emmanuel sempre me ensinou assim: "Chico, se as criticas dirigidas a você são verdadeiras, não reclame; se não são, não ligue para elas.."

Graças a Deus, não me lembro de ter revidado à menor ofensa das inúmeras que sofri, certamente objectivando, todas elas, o meu aprendizado, e me recordo que conscientemente magoado a quem quer fosse…







(Linhas-base da palestra proferida pelo Marreiro a 30 de Junho de 2007)